O presidente da câmara de Paris zomba da multa “absurda” por contratar demasiadas mulheres

“Demasiado feminista” – a Presidente da Câmara de Paris Anne Hidalgo respondeu zombando depois de lhe terem dito que tinha infringido a lei ao nomear demasiadas mulheres para cargos superiores.

Onze mulheres e cinco homens tinham sido promovidos em 2018, violando uma regra nacional de 2013 destinada a trazer a paridade de género no emprego.

As autoridades parisienses estão a ser multadas em 90.000 euros (109.000 dólares; £81.000) pelo ministério da função pública.

“Tenho o prazer de anunciar que fomos multados”, disse a Sra. Hidalgo.

A regra de 2013 significava que não mais de 60% das novas nomeações para cargos de direcção no serviço público deveriam ir para um sexo. O esforço de recrutamento da Sra. Hidalgo levou a que 69% dos postos de trabalho fossem para mulheres.

Ao dirigir-se a uma reunião do conselho, o presidente da câmara socialista brincou: “A direcção da câmara municipal tornou-se, de repente, demasiado feminista”.

Títulos de empregos femininos são postos em marcha em França

A Covid tem um impacto “devastador” na igualdade de género

Mas destacou também um atraso contínuo na promoção das mulheres a cargos superiores em França e a necessidade de acelerar o progresso para a paridade, nomeando mais mulheres do que homens.

“Esta multa é obviamente absurda, injusta, irresponsável e perigosa”, disse ela.

A Ministra do Serviço Público francesa Amélie de Montchalin respondeu no Twitter, salientando que a lei tinha sido alterada desde 2018.

Em 2019, as multas foram retiradas por nomear demasiadas mulheres ou demasiados homens para novos empregos, desde que o equilíbrio global de género não fosse afectado.

Ela convidou a Sra. Hidalgo a discutir como promover as mulheres no serviço público e disse que a multa iria no sentido de “acções concretas”.

Deixe uma resposta